Whatsapp

Beleza e Funcionalidade

Viva Melhor



NOTÍCIA

 

 




  29/06/2020



Biografia de Oswaldo Aranha Filho, por Angela Aranha Coelho filha do idealizador da raça Rastreador Brasileiro.



 

 

A senhora Angela Aranha Coelho, filha do idealizador da raça Rastreador Brasileiro, mais conhecido como Oswaldo Aranha Filho escreveu para o GARRB uma biografia de seu pai Vavau, como era carinhosamente chamado por amigos e familiares. Segue biografia na integra.

 

Biografia

Oswaldo Gudolle Aranha

Por Angela Aranha Coelho

 

Na Fazenda Alto Uruguai, município de Itaqui, Rio Grande do Sul, nasce em 4 de dezembro de 1921, Oswaldo Gudolle Aranha, terceiro dos quatro filhos do casal Delminda Gudolle Aranha e o Chanceler Oswaldo Euclydes de Souza Aranha.

 

Pouco antes da Revolução de 30, por questões políticas, sua família muda-se, definitivamente, para o Rio de Janeiro. No período em que seu pai foi nomeado Embaixador do Brasil em Washington, Vavau, como gostava de ser chamado por seus familiares e amigos, morou nos Estados Unidos, de 1934 – 1937, onde cursou o High School. Ao retornar ao país, Oswaldo passa a estudar no Colégio Andrews, onde conhece Julieta Bernacchi, com quem se casaria em 1947. Desta união, entrelaçada por mais de 60 anos, nasceram seus três filhos: Oswaldo Aranha Neto, Angela e Luciana.

Aos 21 anos de idade, em 1944, sem o conhecimento de seu pai, então Ministro das Relações Exteriores do Governo, alista-se como soldado no exército para lutar na 2ª Guerra Mundial  junto aos aliados, na campanha da Itália. Ao voltar da guerra, funda a Força Expedicionária Brasileira (FEB), com a finalidade de homenagear os heróis de guerra bem como a de manter vivo e unido o grupo dos ex-combatentes.

 

Aranha e Vindinha, na chegada de seu filho Oswaldo Gudolle Aranha da campanha da FEB na Ítalia, 1945. Foto: Arquivo do Blog de Marilia Gudolle C. Göttens 

 

Aranha Filho cursou a Escola do Comércio no Rio. Logo passou a dirigir a empresa automobilística Gastal S. A., empresa da família. Trouxe o famoso Jeep para o país, fruto da sociedade da empresa com a Willy’s Overland do Brasil. Um dos primeiros carros a ser fabricado totalmente em nosso território. Homem de visão arrojada para o seu tempo, tinha consciência da importância do desenvolvimento automobilístico para o Brasil.

 

Rubro-negro, apaixonado, foi presidente do Clube de Regata do Flamengo,em 1961, e por anos, sucessivamente, teve assento no do Conselho Consultivo. Na década dos anos 60, adquiriu a Bongavira, fazenda no pantanal brasileiro, para criação de gado e outras atividades apreciadas pelo gaúcho afeiçoado ao campo. Desde então, já idealizava uma raça de cães inteiramente brasileira, que defendesse o gado nas terras pantaneiras contra a onça da região. Tinha em mente um animal companheiro do homem, urrador, de pelo curto e pele solta do corpo. Desta forma, em caso de ataque, a pata felina escorregaria da sua pele. Por quase vinte anos, cruzou raças escolhidas a dedo, boa parte importada, outras oriundas das fazendas de São Paulo e Minas Gerais de amigos da família Junqueira. Por volta de 1966, Aranha atingiu o ideal da raça tão almejada: o Rastreador Brasileiro. Foi bastante difundida e admirada. Entretanto, em dado momento, uma grave infestação da doença do carrapato alastrou-se no sítio onde criava a maioria de seus cães. O seu canil foi sumariamente dizimado, para seu grande desgosto. Vavau presenteara alguns de seus cães para amigos, entretanto, a abrupta interrupção do seu trabalho com os animais, levou-o a direcionar-se a outros projetos.

 

Rastreador Brasileiro da criação de Oswaldo Aranha Filho. Foto: Cedida pela família Aranha ao GARRB 

 

Pioneiro na criação de cavalos árabes no Brasil, Oswaldo batalhou firmemente para que essa categoria fosse reconhecida pelo Stud-book internacional e obteve sucesso. Fundador da Associação Brasileira dos Criadores de Cavalos Árabes (ABCCA), presidiu-a entre 1975 e 1977. Sempre atuante, lograva aproximar horizontes, visando harmonizar e aprimorar a relação entre o homem, o ambiente e suas experiências. Dedicou-se também à política brasileira, com punho democrático, pertenceu aos partidos do PTB e mais tarde do MDB. Foi candidato a governador em 1961, mas abdicou em nome de Teixeira Lott. Em 1965, Aranha foi eleito suplente-senador de Benjamin Farah. Vale destacar outros cargos como a de Sócio da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ) desde 1969, pelo qual recebeu o título de benemerência da Casa, em 1981, por inúmeros serviços prestados. Presidiu o Metrô do Rio de Janeiro na década de 80. No anos 90, a Associação Brasileira Beneficente de Reabilitacão. (ABBR).

 

Oswaldo Gudolle Aranha falece de insuficiência cardíaca, aos 83 anos, no Rio de Janeiro, em 2003.



Galeria de Fotos



Site Desenvolvido por

Acessar Site da ARTPAGES





Whatsapp
Copyright © 2020 Grupo de Aprimoramento da Raça Rastreador Brasileiro - GARRB. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ARTPAGES.COM.BR